Hermenêutica, Exegese e Teorias de Interpretação Pós-modernas


Blog_Artdesigner_lv Definições e pressupostos da ciência hermenêutica

1. Hermenêutica
O termo hermenêutica procede do verbo grego hermeneuein, usualmente traduzido por interpretar, e do substantivo hermeneia, que significa interpretação ou tradução nos textos de 1 Co 12.10 e 14.26. Tanto o verbo quanto o substantivo podem significar traduzir, tradução, explicar ou explicação.  Nas Escrituras o hermenêutes é o intérprete ou tradutor (1 Co 14.28).
Hermenêutica Bíblica, portanto é a disciplina da Teologia Exegética que ensina as regras para interpretar as Escrituras e a maneira de aplicá-las corretamente.


2. Exegese

O termo “exegese” procede do substantivo grego eksēgēsis, isto é, “narrativa”, “explicação” ou “interpretação”. O substantivo procede do verbo eksēgeomai, termo de significado elástico nas páginas do Novo Testamento cujo significado e tradução nos textos de Lucas 24.35, João 1.18; Atos 10.8; 15.12,14 e 21.19; abrange os vocábulos “contar”, “explicar”, “interpretar”, “descrever”, “relatar” e “revelar”.
O vocábulo é constituído pelo tema verbal composto “ek”, “fora de”; "hēgeomai", que se traduz primariamente por “liderar”, “guiar”, “conduzir”, e pelo sufixo “sis”, que indica ação. Literalmente quer dizer “conduzo para fora”, “extraio” [1].    Segundo o uso mais remoto, o eksēgētēs era o “expositor”, “narrador” ou “intérprete” das leis, seja divina seja humana, ou simplesmente um “escriba”, “escritor” ou “sábio” (cf. Jo 1.18).
Metodologia da Exegese Bíblica, portanto, é a organização e análise sistemática dos processos que devem orientar a investigação científica da Bíblia. Consiste na aplicação dos princípios racionais de investigação usados em documentos plurisseculares com o propósito de apreender o estilo literário de cada autor, a estrutura da obra, as formas literárias do conjunto, entre outros. . 

3. Eisegese

Enquanto a Exegese consiste em extrair o significado de um texto, mediante legítimos métodos de interpretação, a Eisegese consiste em injetar ou introduzir em um texto, algum significado que o intérprete deseja, mas que na verdade não faz parte do mesmo. Em última instância, quem usa a Eisegese, força o texto mediante várias manipulações, fazendo com que uma passagem diga o que na verdade não diz.
Hermenêutica, Exegese e Pós-modernidade
1. Foucault.  Foucault era um pensador brilhante, intelectual profícuo, mas viveu de modo desregrado e dissoluto, vindo a falecer em 25 de junho de 1984 em conseqüência de uma grave enfermidade. Sua principal contribuição ao pensamento pós-moderno, deve-se à noção de que todo tipo de discurso é uma tentativa, daquele que a usa, de exercer poder e influência sobre os outros e, por essa razão, os textos devem ser desconstruídos. A noção desconstrutivista de Foucault procede da “virada lingüística”, abordagem filosófica de fins da década de 60, também conhecida como estruturalismo.
2. Derrida. O filósofo francês Jacques Derrida foi o fundador da desconstrução e, após receber da Universidade de Cambridge, em 1992, um título honorífico, suas teses sobre a indeterminação do sentido do texto, espalhou-se mais facilmente pelo mundo acadêmico. Segundo os estruturalistas e pós-estruturalistas, o texto de qualquer obra não apresenta absolutamente nada além do próprio texto. Não existe uma intenção autoral, um propósito pelo qual a obra tenha sido escrita; as palavras não significam o que o autor pretendeu ao usá-las, cabe sim, ao leitor dar o significado que tal texto tem para si, independente do objetivo da obra ou da interpretação que segue os métodos hermenêuticos tradicionais.
3. Consequências. A interpretação de um texto bíblico, por exemplo, poderia ter diversos significados, não sendo possível determinar qual o verdadeiro sentido. Este, não é intratextual (dentro do texto), mas extratextual (fora do texto). O significado do texto, portanto, é relativo, não sendo possível jamais chegar à verdade sobre o que ele afirma. Todo significado ou interpretação de um texto bíblico, na concepção desconstrutivista do estruturalismo e pós-estruturalismo, é indeterminada, e por isso mesmo, relativa. Por conseguinte, o estruturalismo, é muito mais do que um método aplicado aos textos, mas uma corrente filosófica aplicada a diversas disciplinas, já que todas usam o texto como principal ferramenta de comunicação.
O desenvolvimento da hermenêutica contemporânea e sua aplicação à interpretação dos textos bíblicos traz consigo os seguintes temas:
a) Desmitologização;
b) Desconstrução;
c) Relativismo;
d) Naturalismo;
e) Existencialismo;
f) Desintegração do sentido;
g) Autonomismo textual.

Nota
[1] Cf. Chamberlain, W.D. Gramática exegética do grego neo-testamento. São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1989, p.25.

Texto extraído do site http://cpadnews.com.br/blog/esdrasbentho

Anúncios

Sobre Cadu Rinaldi

Teologia e Reino de Deus
Esse post foi publicado em Li na Internet e marcado , . Guardar link permanente.

6 respostas para Hermenêutica, Exegese e Teorias de Interpretação Pós-modernas

  1. Fernando disse:

    E eu sempre dou uma olhada no seu blog… muito bom tbém hehehehe

    Curtir

    • Cadu Rinaldi disse:

      Procuro assimilar algumas opiniões e descrevê-las de forma acadêmica, mesmo que não estejam em uma estrutura de escrita acadêmica, mas sim os princípios e os assuntos abordados.

      Abraços.

      Curtir

  2. Fernando disse:

    E eu tbém sempre dou uma olhada no seu blog… muito bom

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s