Onde estão os Barnabés?


discipulado O livro histórico de Atos dos Apóstolos nos permite acesso ao melhor e mais eloqüente registro sobre a expansão da Igreja de Jesus Cristo e da religião cristã, desde o dia da descida do Espírito Santo, no dia de Pentecoste.

 

O livro narra a saga da Igreja até a chegada de Paulo à capital do mundo da época: Roma. Neste sentido, Atos é um longo documentário sobre as obras que Jesus Cristo, o Messias e Filho de Deus, começou a realizar na Terra e, mais tarde, continuou através do Seu Espírito, agindo na vida dos seus discípulos em todas as partes do mundo.

A igreja daquela época passava por grandes perseguições, a igreja cristã passava por dificuldades. E em meio a essas contrárias situações estava Barnabé, o “encorajador”, e com ele a ação do Espírito Santo.

(Atos 4:36) – Então José, cognominado pelos apóstolos, Barnabé (que, traduzido, é Filho da consolação), levita, natural de Chipre,

(Atos 4:37) – Possuindo uma herdade, vendeu-a, e trouxe o preço, e o depositou aos pés dos apóstolos.

Para entender sobre o peso profético de Barnabé fica claro que a palavra chave aqui é “encorajador”, isto é, aquele que encoraja. Em toda a bíblia, depois da pessoa de Cristo, o maior encorajador ministerial e para as obras em prol o reino celestial, chama-se Barnabé. Sabia que todos possuem a posse das coisas mas não a propriedade, pois esta pertence a Deus.

(Atos 9:26) – E, quando Saulo chegou a Jerusalém, procurava ajuntar-se aos discípulos, mas todos o temiam, não crendo que fosse discípulo.

Lucas relata em Atos, que ninguém, nem mesmo os apóstolos acreditaram em Saulo. Barnabé arrisca toda sua reputação e respeito, talvez sua vida, ao aliar-se até em tão a Saulo de Tarso, um recém convertido.

Este fato acontece, 3 anos após a conversão Paulo, Jerusalém era o lugar mais perigoso que Saulo poderia visitar (do ponto de vista humano). A pessoa que esta no centro da vontade de Deus, faz e tome decisões que põe em risco sua segurança e vida, a favor dos necessitados e do reino de Deus.

Os Saulos necessitam de encorajadores para sustentarem suas almas aflitas e seus espíritos em busca de um caminho seguro no Reino de Deus. Nesta cena aparece Barnabé na vida de Saulo.

José não recebeu este apelido por receber, certamente foi uma pessoa que exalava:

*presença confortadora;

*maneira séria e desprendida de se dedicar aos outros.

Barnabé não é apenas um contraste dos cristãos da época, aparece como exemplo concreto de um discipulador na igreja primitiva. Alguém que forma pessoas a conquistarem o plano de Deus para seu tempo, para sua geração.

Termos pessoas ao nosso lado que nos encorajam na caminhada, nos ajuda a vencer a dor, e as adversidades do cotidiano é tudo que queremos. Faltam Barnabés em nossos dias.

Onde estão os Barnabés? Deus está procurando pessoas de um modo geral que dêem notícias alentadoras à alma uns dos outros.

Barnabé nos deixa o exemplo de como influenciarmos as pessoas, através do relato de amor para com Paulo:

  • Comprometa-se com as pessoas;
  • Acredite nas pessoas;
  • Seja acessível às pessoas:
  • Dê sem esperar retribuições;
  • Dê oportunidades às pessoas;
  • Ajude as pessoas a alcançar um nível mais alto.

(Atos 11:19) – E os que foram dispersos pela perseguição que sucedeu por causa de Estêvão caminharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus.

(Atos 11:20) – E havia entre eles alguns homens cíprios e cirenenses, os quais entrando em Antioquia falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus.

(Atos 11:21) – E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor.

(Atos 11:22) – E chegou a fama destas coisas aos ouvidos da igreja que estava em Jerusalém; e enviaram Barnabé a Antioquia.

(Atos 11:24) – Porque era homem de bem e cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor.

Para fazermos a obra do reino, temos que nos espelhar em Barnabé:

  • Homem de bem (Que se alegra com o sucesso dos outros, Pessoa carismática);
  • Cheio do Espírito Santo (Sensibilidade espiritual);

· Cheio de fé (Obediente e disponível).

(Atos 11:25) – E partiu Barnabé para Tarso, a buscar Saulo; e, achando-o, o conduziu para Antioquia.

Barnabé vai até Saulo, com investimento de tempo e dinheiro. O verdadeiro Barnabé investe no rejeitado e descobre talentos onde ninguém acredita que haja algo de bom.

Se Barnabé não confiasse em Saulo, talvez Antioquia (Atos 13) não teria sido o quartel general da Igreja primitiva naquela época.

Os verdadeiros “Barnabés” geram um ambiente de confiança que facilita os “Saulos” a terem experiências juntos: vitórias, fracassos, erros e acertos.

Só seremos verdadeiros “Barnabés” se acreditarmos nos “Saulos”, mesmo que o passado os condene

Os verdadeiros “Barnabés” mostram aos “Saulos” sempre um futuro bem sucedido, visualizando o para sua vida.

(Atos 13:2) – E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado.

(Atos 13:3) – Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram.

A mando do Senhor partiram de Antioquia, e cumpriram o chamado do Senhor.

Vemos nos capítulos 14 e 15 uma transição de liderança ente Barnabé e Paulo. Barnabé já começa a experimentar Paulo para aquilo que fora chamado.

(Atos 15:36) – E alguns dias depois, disse Paulo a Barnabé: Tornemos a visitar nossos irmãos por todas as cidades em que já anunciamos a palavra do Senhor, para ver como estão.

(Atos 15:37) – E Barnabé aconselhava que tomassem consigo a João, chamado Marcos.

(Atos 15:38) – Mas a Paulo parecia razoável que não tomassem consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra.

Barnabé sabia que com a ruptura com Paulo, estava pronto para sua grande comissão, enquanto ele cuidava de João Marcos, que mais tarde por volta de 57-63 dc escreveria o Evangelho de São Marcos. Como tema central: Jesus Cristo como Servo.

(II Timóteo 4:11) – Só Lucas está comigo. Toma Marcos, e traze-o contigo, porque me é muito útil para o ministério.

Paulo pede para trazer Marcos, porque ele estava no fim da carreira, e fica claro que Marcos o sucederia.

Como foi a relação de BARNABÉ com João Marcos:

  • Cumplicidade
  • Troca de experiência
  • Ajudar de maneira despretensiosa
  • E Respeito mútuo e reconhecimento da autoridade

A história de Barnabé nos demonstra que temos que ter um espírito encorajador para que o reino de Deus seja ganho.

Anúncios

Sobre Cadu Rinaldi

Teologia e Reino de Deus
Esse post foi publicado em Cadu Rinaldi e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s