SALMO 91. REFÚGIO PARA UMA ALMA DIVINAMENTE ORIENTADA


Este Salmo é geralmente considerado como acompanhante do anterior, cujo título pode ser aplicado a ambos. Em apoio a essa relação, pode ser observado que ambos são um desenvolvimento da frase em #Dt 33.27, e que a mensagem de segurança, mediante comunhão íntima com o Senhor, no #Sl 91, é o eqüivalente do tema da insignificância e desesperada necessidade, no #Sl 90. Os dois Salmos também têm uma estrutura relacionada.

O #Sl 91 começa com uma asseveração da fé humana (1) e termina com uma declaração da fidelidade divina (14-16), em que o elemento impessoal é substituído por Deus, que dirige Suas promessas pessoalmente ao crente. Os vers. restantes (2-13) se dividem em duas seções, cada qual introduzida por uma afirmação pessoal (ver vers. 2 e 9). Na expansão dessas confissões de fé existe, em cada caso, uma alteração no pronome pessoal, de eu para ti; os vers. 3-8 e 9-13 talvez tivessem a intenção de ser proferidos por outra voz. Note-se como o vers. 9 reassume o pensamento das palavras iniciais, habita no… Altíssimo.

A imagem do vers. 1, o esconderijo e a sombra (das asas), é geralmente usada em outros lugares referentes à solicitude de Deus pelos homens. Ver o vers. 4 e cfr. #Sl 17.8; #Sl 61.4; #Dt 32.11. Peste perniciosa (3) significa alguma forma de morte destrutiva. Note-se, entretanto, o texto diferente da Septuaginta, “a palavra destruidora” (cfr. #Sl 38.12). Sua verdade (4) é Sua inquestionável fidelidade para com Sua palavra.

>Sl-91.5

A imunidade de perigos, descrita nos vers. 5-8, quase certamente se baseia na memória da experiência de Israel durante as pragas do Egito; mas sua intenção é ser aplicada metaforicamente, da mesma maneira que Deus é referido como rocha e como águia em seu ninho. #Dt 32.24 sugere que a mortandade que assolou ao meio-dia (6) foi alguma forma de insolação, mas ver #Sl 78.48. Cfr. #Nm 21.6 com o vers. 7. Cfr. #Êx 14.30 com o vers. 8. Guardiães angélicos (11-12) são freqüentemente mencionados nas Escrituras, como, por exemplo, #Gn 24.40; #Êx 23.20; #Hb 1.14. Porém, essa proteção é em todos os teus caminhos, isto é, no caminho da fé e da piedade (cfr. #Sl 23.3; #Pv 3.17); essa qualificação foi compreendida por Satanás, quando ele omitiu essa frase ao citar o Salmo para Jesus (#Mt 4.6) O áspide (13), ou seja, a serpente. O leão e a serpente representam a ferocidade e a persistência nos ataques externos e óbvios por parte dos inimigos, bem como nos assaltos internos e secretos, por parte das dúvidas e dos conspiradores. Ver #Am 5.19; #Sl 58.4,6; e note-se #Lc 10.19. (Cfr. também #Sl 22.13; #Sl 64.2-6; #Mt 23.33; #1Pe 5.8).

>Sl-91.14

As palavras atribuídas ao Senhor, nos vers. 14-16, podem ser consideradas como uma conclusão apropriada para ambos os Salmos. O amor é o fundamento de toda confiança (#Sl 90.14 e segs.) e triunfo (#Sl 91.11 e segs.). Quando um homem “apega-se afetuosamente” ao Altíssimo, então tal homem é exaltado (cfr. #2Pe 1.3-4; #Sl 9.9-10) à mais íntima comunhão e segurança (cfr. #Jo 14.23 e segs. #Sl 21.4-5).

Sobre Cadu Rinaldi

Teologia e Reino de Deus
Esse post foi publicado em Cadu Rinaldi, Li em um Livro e marcado . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s